Contatos

twitter: @LabSisUFRN; telefone: 84 3215-3796;
facebook: LabSis Ufrn

segunda-feira, 28 de agosto de 2017

Novo tremor de terra em Caruaru-PE em 28/08/2017

    Hoje, 28/08, às 03:09 UTC (00:09, hora local) ocorreu um novo tremor em Caruaru, desta vez de magnitude preliminar 1.8. Esse evento foi sentido na cidade, segundo a TV Asa Branca, e foi registrado pela estação de Caruaru (NBCA).
    O mapa de localização epicentral está mostrado na Figura 1.

Figura 1. Mapa de localização epicentral. O epicentro está simbolizado pela estrela vermelha. O triângulo vermelho indica a localização da estação NBCA. Em destaque, os limites do município de Caruaru. 
    O registro do evento na estação NBCA está mostrado na Figura 2.

Figura 2. Registro do evento na estação NBCA.
    Esse evento é mais um que ocorreu em Caruaru, uma região onde se conhecem tremores desde o século XIX e que é monitorada pela estação NBCA.  Essa atividade sísmica está relacionada à zona sismogênica conhecida como Lineamento Pernambuco onde já ocorreu um tremor de magnitude 4.0, em São Caetano, em 2005.
    Como sempre afirmamos, não é possível afirmar como será a evolução da sismicidade a partir deste evento, podendo desaparecer ou ser o início de uma intensa atividade sísmica, como aconteceu diversas vezes em Caruaru.

Fonte: LabSis/UFRN, RSISNE, INCT-ET
Joaquim Ferreira, Eduardo Menezes, André Silva

sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Tremor de magnitude 6.6 na dorsal meso oceânica em 18/08/2017

    Hoje, às 02:59 UTC ocorreu um grande tremor, de magnitude 6.6, na dorsal meso-oceânica. O epicentro do evento está localizado a aproximadamente a 762 km a N de Ascensão, a 1.770 km a ESE de São Pedro e São Paulo, a 2.120 km a ENE de Fernando de Noronha, a 2.450 km a ENE de Natal e a 2.480 km a ENE de Recife.
    Posteriormente a esse evento, às 15:35 UTC, ocorreu um novo evento na dorsal, de magnitude 4.8, a aproximadamente 100 km a W do evento de magnitude 6.6.
    O mapa de localização epicentral está mostrado na Figura 1.

Figura 1. Mapa de localização epicentral. O epicentro de magnitude 6.6 está simbolizado pela estrela vermelha. O epicentro do evento de magnitude 4.8 está simbolizado pela estrela amarela. O triângulo vermelho indica a localização da estação de Riachuelo (RCBR).
    O registro desses eventos na estação de Riachuelo está mostrado na Figura 2.

Figura 2. Registro dos eventos na estação RCBR. O evento grande é o sismo de magnitude 6.6. O evento de magnitude 4.8 está dentro do retângulo amarelo.
    Quando sismos dessa magnitude ocorrem na dorsal uma pergunta frequente é se podem causar um tsunami que poderia atingir as costas brasileiras. Para poder causar um tsunami, além da magnitude, geralmente acima de 7.0, é preciso que o movimento seja de falha normal ou reversa. No caso em tela, o movimento é de falha transcorrente que não tem possibilidade de mover a água no fundo oceânico pois o movimento é horizontal, ao contrário das falhas normais e reversas, onde o movimento é vertical.
     O movimento relacionado ao sismo está mostrado na Figura 3.

  
Figura 3. Tensor momento sísmico que indica o movimento da falha sísmica.
Fonte: LabSis/UFRN, USGS
Joaquim Ferreira

Novos tremores na dorsal meso-oceânica em 16 e 17/08/2017

    Nos dias 16 e 17/08 ocorreram dois novos tremores na dorsal meso-oceânica, ambos de magnitude 5.2. O primeiro evento ocorreu no dia 16 às 19:46 UTC. O epicentro desse evento foi localizado a aproximadamente a 1.285 km a SW de Santa Helena, a 2.810 km a ESE de Vitória, a 2.960 km a ESE de Salvador e a 3.030 km a E do Rio de Janeiro.
    O segundo evento ocorreu dia 17 às 08:52 UTC e o epicentro foi localizado aproximadamente a 335 km a NE de Ascensão, 1.360 km a SSE de Santa Helena, a 2.015 km a ESE de São Pedro e São Paulo, a 2.330 km a E de Fernando de Noronha, a 2.500 km a ENE de Recife e a 2.520 km a E de Natal.
    O mapa de localização epicentral desses eventos está mostrado na Figura 1.

Figura 1. Mapa de localização epicentral. O epicentro do dia 16 está simbolizado pela estrela verde. O epicentro do dia 17 está simbolizado pela estrela vermelha. O triângulo vermelho indica a localização da estação de Riachuelo (RCBR).
    O registro desses eventos na estação RCBR está mostrado na Figura 2.

Figura 2. Registro dos eventos na estação RCBR. Os eventos estão dentro dos retângulos, sendo o do dia 16 no retângulo verde e o do dia 17 no retângulo vermelho.
Fonte: LabSis/UFRN, USGS
Joaquim Ferreira

segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Novo tremor de terra na dorsal meso-oceânica em 13/08/2017

    Ontem, dia 13/08, às 06:19 UTC, ocorreu um novo tremor na cordilheira meso-oceânica, desta vez de magnitude 5.1. O epicentro do evento está localizado a aproximadamente a 327 km a NE de Ascensão, a 2.000 km a ESE de São Pedro e São Paulo, a 2.220 km a ESE de Fernando de Noronha, a 2.480 km a ENE de Recife e a 2.500 km a E de Natal.
    O mapa de localização epicentral está mostrado na Figura 1.

Figura 1. Mapa de localização epicentral. O epicentro está simbolizado pela estrela vermelha. 
Fonte: LabSis/UFRN, USGS
Joaquim Ferreira

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Novo tremor de terra na dorsal meso-oceânica em 10/08/2017

    Hoje, dia 10/08, às 09:51 UTC, ocorreu um novo tremor na dorsal meso-oceânica, desta vez de magnitude 5.3. O epicentro do evento está localizado a aproximadamente a 1.295 km a SW de Santa Helena, a 1.905 km a S de Ascensão, a 2.805 km a ESE de Vitória, a 2.950 km a SE de Salvador e a 3.030 km a E do Rio de Janeiro.
    O mapa de localização epicentral está mostrado na Figura 1.

Figura 1. Mapa de localização epicentral. O epicentro está simbolizado pela estrela vermelha. O triângulo vermelho indica a localização da estação de Riachuelo (RCBR).
    O registro desse evento na estação RCBR está mostrado na Figura 2.

Figura 2. Registro 24 h da estação RCBR. O evento está na parte de baixo do registro.
Fonte: LabSis/UFRN, USGS
Joaquim Ferreira

quarta-feira, 9 de agosto de 2017

Novo tremor de terra na dorsal próximo a São Pedro e São Paulo em 01/08/2017

    Somente no dia 07/08 o USGS divulgou a ocorrência de um tremor na cordilheira meso-oceânica próximo ao arquipélago de São Pedro e São Paulo. Esse evento, de magnitude 4.7, ocorreu no dia 01/08 às 00:29 UTC. O epicentro do  evento está localizado a aproximadamente 225 km a ESE de São Pedro e São Paulo (portanto dentro da zona econômica exclusiva do Brasil, de 200 milhas ou 370 km), a 755 km a NE de Fernando de Noronha, a 1.115 km a NE de São Miguel do Gostoso, a 1.125 km a NE de Natal, a 1.240 km a ENE de Fortaleza e a 1.280 km a NNE de Recife.
    O mapa de localização epicentral está mostrado na Figura 1.

Figura 1. Mapa de localização epicentral. O epicentro está simbolizado pela estrela vermelha. 
Fonte: LabSis/UFRN, USGS
Joaquim Ferreira

segunda-feira, 7 de agosto de 2017

Novo tremor de terra na dorsal meso-oceânica em 06/08/2017

    Repetindo o que ocorreu no dia 05, ontem, dia 06/08, às 19:56 UTC, ocorreu um novo tremor na cordilheira meso-oceânica, também de magnitude  5.0. O epicentro do evento ocorreu na mesma área do evento do dia anterior, a aproximadamente 300 km a NE de Ascensão, a 2.010 km a ESE de São Pedro e São Paulo, a 2.220 km a ESE de Fernando de Noronha, a 2.475 km a ENE de Recife e a 2.505 km a E de Natal.
    O mapa de localização epicentral está mostrado na Figura 1.


Figura 1. Mapa de localização epicentral. O epicentro está simbolizado pela estrela vermelha. 
Fonte: LabSis/UFRN, USGS
Joaquim Ferreira

domingo, 6 de agosto de 2017

Novo tremor de terra na dorsal meso-oceânica em 05/08/2017

   Ontem, dia 05/08, às 00:04 UTC, ocorreu um novo tremor na cordilheira meso-oceânica, desta vez de magnitude 5.0. O epicentro do evento ocorreu a aproximadamente 310 km a NE de Ascensão, a 2.020 km a ESE de São Pedro e São Paulo, a 2.220 km a ESE de Fernando de Noronha, a 2.485 km a ENE de Recife e a 2.520 km a E de Natal.
    O mapa de localização epicentral está mostrado na Figura 1.


Figura 1. Mapa de localização epicentral. O epicentro está simbolizado pela estrela vermelha. 
Fonte: LabSis/UFRN, USGS
Joaquim Ferreira

sexta-feira, 4 de agosto de 2017

Inauguração do prédio do Laboratório Sismológico em 04/08/2017


   
    Em sismologês: hoje, dia 04/08/2017, às 17:00 (hora local; 20:00 UTC), ocorrerá um evento de enorme magnitude para a comunidade sismológica, geofísica e geológica da UFRN, a inauguração do prédio do Laboratório Sismológico. Esse evento contará com a presença da Reitora Ângela Maria Paiva Cruz, demais autoridades acadêmicas, bem como convidados externos à UFRN.
     Essa obra, que beneficiará não só a sismologia propriamente dita, é o reconhecimento pela UFRN dos relevantes serviços prestados pelo laboratório em sua trajetória que começou em 1975 e teve seu ponto de afirmação durante a atividade sísmica em João Câmara em 1986. Essa atividade se iniciou em meados desse ano e se estendeu por vários anos, tendo ocorrido dois eventos de magnitude maior ou igual a 5.0 e mais de 15 eventos de magnitude acima de 4.0. Esses tremores causaram graves danos materiais em muitas casas bem como pânico e fuga da população de João Câmara, e foi o evento de maior impacto social devida a terremotos no Brasil tendo inclusive João Câmara sido visitada pelo presidente da república na época, José Sarney.
    Após João Câmara foi possível por parte da equipe de sismologia adquirir equipamentos,  veículos de campo, computadores, contratação de pessoal, obter recursos para a instalação de redes portáteis em diversos estados do NE do Brasil, notadamente no Rio Grande do Norte, Ceará e Pernambuco, etc. Uma parte importante do trabalho realizado foi não somente estudar o fenômeno do ponto de vista científico mas, também, esclarecer a população acerca do mesmo, atuando em conjunto com agentes de Defesa Civil em nível municipal, estadual ou nacional. Parte do esclarecimento e das informações são também divulgados através de entrevistas em diversos tipos de órgãos de imprensa, o que torna notório o trabalho realizado pela UFRN nessa área.
    Gostaria de agradecer pessoalmente a todos que contribuíram, de uma forma ou de outra, dentro ou fora da UFRN, para a implantação e consolidação da pesquisa em sismologia na UFRN. Não cito nomes para não correr o risco de cometer injustiças.
     Que o futuro seja uma continuação aprimorada do que foi feito até agora e que, em melhores condições, possa o LabSis continuar seu trabalho de monitoramento e estudo da atividade sísmica bem como de atuar junto às populações afetadas por esse tipo de fenômeno.

Joaquim Ferreira
fundador e ex-coordenador do Laboratório Sismológico