Contatos

twitter: @LabSisUFRN; telefone: 84 3215-3796;
facebook: LabSis Ufrn

quarta-feira, 30 de maio de 2012

Seminário LabSis/UFRN no dia 31/05/2012

    No próximo dia 31/05/2012 teremos mais um seminário do LabSis, atividade coordenada pelo Prof. Jordi Julià. O seminário será proferido pela Profa. Colaboradora do Departamento de Geologia Maria Osvalneide Lucena Sousa e terá por título "Reativação do Lineamento Pernambuco".
    O seminário será apresentado no auditório do prédio Reuni (Departamento de Geofísica), às 16:30 h.
 
Resumo
     O Lineamento Pernambuco (LP) é uma zona de cisalhamento de centenas de quilômetros de comprimento e ~ 5 km de largura. O LP apresenta reativação em sua zona milonítica principal, de direção EW, e em suas ramificações de direção NE. A área do presente estudo está localizada ao longo do LP entre as cidades de Caruaru e Ibimirim, Pernambuco. A sismicidade nesta área é conhecida desde o início do século XX. As falhas que determinam esta sismicidade coincidem com falhas que reativam a foliação milonítica. Em áreas como a de Caruaru, por exemplo, dados sismológicos e estruturais mostram forte correlação entre o mecanismo focal da falha sismogênica e a orientação predominante do fabric pré-cambriano. O presente estudo deu ênfase à deformação frágil e à determinação do nível de falhamento.  As falhas profundas formam pares conjugados transcorrentes de orientação NW-SE dextrais e NE-SW sinistrais e, por vezes estão preenchidas por epídoto e/ou veios de quartzo. As falhas rasas são representadas por cataclasitos, brechas de falhas, gouge e por falhas preenchidas por óxido/hidróxido de Fe e pseudotaquilitos. As falhas rasas reativam as falhas dextrais NW-SE, bem como a foliação milonítica (Sm) na forma de estreitas faixas cataclásticas. A reativação do fabric pré-cambriano indica que as zonas de cisalhamento agem como zonas de fraqueza e foram reativadas em diferentes níveis crustais. 
 
Figura 1. Mapa geológico e de atividade sísmica na região de Caruaru e São Caetano-PE.
Fonte: LabSis/UFRN
Maria Osvalneide Sousa, Jordi Julià, Joaquim Ferreira

quarta-feira, 23 de maio de 2012

Novo tremor na cadeia meso-oceânica em 23/05/2012

    Como temos reiteradamente afirmado, a ocorrência de tremores na cadeia (cordilheira ou dorsal) meso-oceânica tem sido uma constante desde o começo do ano. Hoje tivemos mais um evento, desta vez de magnitude 5.3, que ocorreu às 17:50 UTC (14:50 h. local). O epicentro desse evento (Figura 1) está localizado a aproximadamente 190 km a leste do arquipélago de São Pedro e São Paulo, 742 km da ilha de Fernando de Noronha e 1115 km de Natal.

Figura 1. Mapa de localização epicentral. O epicentro é representado pela estrela vermelha. São mostradas também as estações de São Pedro e São Paulo (SPSP; Marinha/UFRN), em vermelho, e Riachuelo (RCBR; USGS/UFRN), em azul. Mapa elaborado por Heleno Lima Neto.
    O registro desse evento pela estação de Riachuelo é mostrado na Figura 2, abaixo.

Figura 2. O registro do sismo na estação de Riachuelo está em destaque no círculo vermelho. Fonte: USGS.
    Esse tremor ocorreu em águas da Zona Econômica Exclusiva brasileira, pois o epicentro está a menos de 370 km do arquipélago de São Pedro e São Paulo, considerado parte do estado de Pernambuco (Wikipedia).
    Em Natal, correram boatos sobre a possibilidade desse tremor ter causado um tsunami que iria atingir a cidade. Infelizmente, isso sempre ocorre quando algumas pessoas descobrem a ocorrência de um tremor na cordilheira meso-oceânica e, sem maior fundamento, logo concluem que o tremor gerou um tsunami, difundindo a informação e acionando inclusive a Defesa Civil, segundo fomos informados pelo Ten. Cel. Josenildo Acioli, Coordenador da Defesa Civil do Rio Grande do Norte.

Fonte: LabSis/UFRN; USGS
Joaquim Ferreira, Heleno Lima Neto, Rodrigo Pessoa

Seminário LabSis/UFRN no dia 24/05/2012

     No próximo dia 24/05/2012 teremos mais um seminário do LabSis, atividade coordenada pelo Prof. Jordi Julià. O seminário será proferido pelo mestrando da PPGG (Programa de Pós-graduação em Geodinâmica e Geofísica) Hasan Shihadeh e terá por título "Utilização de sismos regionais para determinação de modelo de velocidades".
    O seminário será apresentado no auditório do prédio Reuni (Departamento de Geofísica), às 16:30 h.
 
Fonte: LabSis/UFRN
Jordi Julià, Joaquim Ferreira

domingo, 20 de maio de 2012

Tremor de Montes Claros registrado pelas estações da rede RSISNE

    Ontem às 13:42 UTC (10:42 h. local) ocorreu um tremor de terra em Montes Claros-MG. Os parâmetros preliminares do mesmo foram divulgados pelo Observatório Sismológico da UnB (http://www.obsis.unb.br/) tendo a magnitude sido estimada em 4.2.
    Dada a sua magnitude esse evento foi registrado pelas diversas estações da Rede Sismográfica do Nordeste do Brasil ((Petrobras/UFRN/FUNPEC), conhecida como rede RSISNE. Um exemplo é o registro do evento pela estação de Cabaceiras do Paraguaçu-BA (NBCP) a aproximadamente 685 km do epicentro, mostrado na Figura 1, abaixo.

Figura 1. Registro do sismo de Montes Claros pela estação NBCP. Em preto, acima, estão as componentes horizontais e, abaixo, em vermelho, o registro da componente vertical.
    A magnitude do evento determinado pelo registro de NBCP foi 4.0. Os registros das estações da rede RSISNE, e de outras estações operadas pela UFRN, serão importantes na determinação dos parâmetros finais do evento, somando-se aos dados já coletados pela UnB e USP, bem como no estabelecimento de um modelo regional da velocidades das ondas sísmicas no território brasileiro.

Fonte: LabSis/UFRN; RSISNE
Joaquim Ferreira

terça-feira, 15 de maio de 2012

Seminário LabSis/UFRN no dia 17/05/2012

No próximo dia 17/05/2012 teremos mais um seminário do LabSis, atividade coordenada pelo Prof. Jordi Julià. O seminário será proferido pela doutoranda da PPGG (Programa de Pós-graduação em Geodinâmica e Geofísica) Rosana Maria do Nascimento e terá por título "Estrutura crustal e mantélica da Província Borborema (NE Brasil) através de função do receptor e dispersão de ondas superficiais".
    O seminário será apresentado no auditório do prédio Reuni (Departamento de Geofísica), às 16:30 h.
Resumo  
    A Província Borborema, localizada no Nordeste do Brasil, passou por várias etapas de evolução até o Cenozóico e possui uma estrutura geológica muito complexa, marcada por dois principais eventos, o magmatismo Cenozóico e o soerguimento do planalto da Borborema. Oliveira (2008) investigou o arcabouço estrutural da província através de dados gravimétricos e magnéticos, realizou uma inversão para estimar a espessura crustal em toda província e mostrou que ela possui uma espessura heterogênea. Barbosa (2008) usando cinco estações sismográficas banda larga, calculou função do receptor  em algumas regiões da província e os valores obtidos para a espessura variam de 29 a 35 km.  
    Sabe-se que a dispersão de ondas de superfície é sensível à velocidade de ondas S média em profundidade. A função do receptor é primeiramente sensível aos contrastes das velocidades de ondas de corpo e aos tempos de percurso verticais. Assim, a dispersão de ondas de superfície e a função do receptor confinam propriedades sísmicas diferentes, mas dependentes, da estrutura da litosfera. Suas inversões conjuntas podem fornecer bons vínculos tanto em descontinuidades como em velocidades de onda S. Assim, propomos usar as velocidades de grupo das ondas de superfície e as funções do receptor para inverter simultaneamente as estruturas da litosfera na Província Borborema. Para obter um resultado mais amplo iremos utilizar uma integração dos nossos resultados com os resultados de tomografia de velocidade de grupo do trabalho de Feng (2004).  
    Usando as 15 estações RSISNE e as 6 do projeto Milênio, pretendemos melhorar a topografia da Moho (função do receptor) e melhorar também os modelos crustais regionais (inversão conjunta de função de receptor e ondas de superfície) na região. Certamente, a integração dos resultados com outros de gravimetria e magnetometria da região, auxiliarão o melhor entendimento da evolução de toda a Província Borborema.
Referências:
 Feng, M., 2004. Tomografia de ondas de superfície na América do Sul: Inversão conjunta de velocidade de grupo e forma de onda. PhD tese, IAG, Universidade de São Paulo, SãoPaulo, Brazil.
Novo Barbosa, M.F., 2008. Estimativa de espessura crustal na província Borborema (NE/Brasil) através de Função do Receptor. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós Graduação em Geodinâmica e Geofísica, Universidade Federal do Rio Grande do Norte. 
Oliveira, R.G., 2008. Arcabouço Geofísico, Isostasia e causas do magmatismo Cenozóico da Província Borborema e de sua margem continental (Nordeste do Brasil). Tese de Doutorado, Programa de Pós Graduação em Geodinâmica e Geofísica, Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Figura 1. Mapa de percursos para a tomografia de ondas de Superfície. Eventos usados por Feng (2004) mais os eventos usados no presente trabalho para o período de 50s. As bolas vermelhas representam os epicentros dos eventos. Os triângulos verdes representam as estações utilizadas neste trabalho.
 Fonte: LabSis/UFRN
  Rosana Nascimento, Jordi Julià, Joaquim Ferreira

sexta-feira, 11 de maio de 2012

Novas áreas sísmicas ativas em Pernambuco

    O monitoramento com a estação de Caruaru (NBCA), pertencente à rede RSISNE (Petrobras/UFRN/FUNPEC) tem se mostrado bastante eficiente na localização de áreas ativas na região de Caruaru, como por exemplo,  a leste de São Caetano, Bezerros, a leste de Caruaru. 
    A análise dos  dados dos últimos dias permitiu identificar duas novas áreas, a primeira, no limite dos municípios de Altinho e Ibirajuba, onde ocorreram dois microtremores no dia 09/05/2012 e, a segunda, no limite dos municípios de Santa Cruz do Capibaribe e Taquaritinga do Norte, onde também ocorreram dois microtremores no dia 10/05/2012.
    Um mapa mostrando a localização desses epicentros está na Figura 1.

Figura 1. Mapa epicentral. Os epicentros estão representados pelas estrelas vermelhas. O triângulo vermelho mostra a localização da estação NBCA. As regiões coloridas indicam as áreas dos municípios citados.
    Os registros desses eventos são mostrados nas Figuras 2 e 3, abaixo.

Figura 2. Sismograma do evento de Altinho/Ibirajuba registrado em NBCA. Figura elaborada por Heleno Lima Neto.
Figura 3. Sismograma do evento de Santa Cruz do Capibaribe/Taquaritinga do Norte registrado em NBCA. Figura elaborada por Heleno Lima Neto.
    Antes desses eventos, não havia registro de sismos na região de Altinho/Ibirajuba, que fica ao sul de Caruaru (Figura 1). Já ao norte, a atividade sísmica foi muito intensa na década de 70, sendo os principais eventos o de Toritama (1974, m=3.6) e o de Santa Cruz do Capibaribe (1970, m=3.9).
    O tremor de Santa Cruz do Capibaribe, de 1970, foi sentido em diversas localidades da divisa PE/PB, destruiu alguns tetos de residências, causou brechas em tetos e  paredes de diversas residências, derrrubou garrafas em bares e restaurantes, e deixou a população em pânico. Esse tremor era o evento de maior magnitude registrado no estado de Pernambuco antes do sismo de São Caetano, de magnitude 4.0, ocorrido em 2006.

Fonte: LabSis/UFRN; RSISNE; INCT-ET
Joaquim Ferreira,  Heleno Lima Neto, Eduardo Menezes

quarta-feira, 9 de maio de 2012

Novo tremor na cadeia meso-oceânica em 09/05/2012

   Como temos reiteradamente afirmado, a ocorrência de tremores na cadeia (cordilheira ou dorsal) meso-oceânica tem sido uma constante desde o começo do ano. Hoje, para variar, tivemos mais um evento, desta vez de magnitude 5.6, que ocorreu às 14:49 UTC. O epicentro desse evento (Figura 1) está localizado a aproximadamente 780 km ao norte da ilha de Ascenção e a cerca de 2130 km  a leste da ilha de Fernando de Noronha.

Figura 1. Mapa de localização epicentral. A dorsal meso-oceânica é simbolizada pela linha vermelha entre o Brasil e a África. O epicentro do tremor está simbolizado pela bola verde. Na área abrangida pelo mapa, são mostrados os epicentros de todos os sismos de magnitude acima de 4.5 que ocorreram nos  últimos 30 dias. Fonte: USGS.
     O registro desse evento pela estação de Riachuelo é mostrado na Figura 2, abaixo.

Figura 2. Registro do evento pela estação RCBR (sismo após as 14:50). O evento registrado após as 07:10 também é um evento meso-oceânico, porém não consta da lista do USGS, provavelmente por ter sido registrado por poucas estações. Fonte: USGS.
Fonte: LabSis/UFRN; USGS
Joaquim Ferreira, Heleno Lima Neto, Rodrigo Pessoa

terça-feira, 8 de maio de 2012

Novas informações sobre o tremor de São Caetano-PE em 08/05/2012

    Em viagem de campo dentro do projeto do INCT de Estudos Tectônicos, o técnico Eduardo Menezes passou pela região onde o epicentro foi preliminarmente calculado e fez um levantamento macrossísmico, perguntando para as pessoas se haviam sentido o tremor, bem como os efeitos dele.
    Dos depoimentos coletados, os mais significativos foram o do Sr. Damião Adailton da Silva e vizinhos, relatando que ouviram forte vibração nas telhas e que os alumínios bateram, tendo o tremor assustado as pessoas a ponto de não quererem mais dormir à noite. Algumas pessoas do Sítio Poço D´Água dizem que vêm sentindo os tremores há algum tempo. Esses relatos são de moradores do município de São Caetano na divisa com o município de Tacaimbó. O tremor também foi sentido, embora com menor intensidade, por moradores de Tacaimbó nas proximidades da sub-estação da CHESF e em outras localidades do município de São Caetano como Jacaré, Trevo e Boa Vista. Na cidade de São Caetano, poucos comentaram sobre esse tremor.
    A conclusão a que ele chegou é que o epicentro, a partir de dados macrossísmicos, estaria no município de São Caetano, no limite com Tacaimbó. Um mapa mostrando a localização desse epicentro, bem como da sub-estação da CHESF é mostrado na Figura 1. O epicentro instrumental  obtido a partir da estação NBCA foi recalculado com outro modelo de velocidades, mas não mudou significativamente (aproximadamente 1,3 km para sudoeste).

Figura 1. O epicentro macrossísmico é simbolizado pelo balão vermelho. A sub-estação da CHESF pelo símbolo verde. O triângulo vermelho indica o local da estação NBCA. A estrela vermelha indica o local do epicentro instrumental preliminar. Mapa elaborado por Renato Dantas.

    É importante frisar que o epicentro macrossísmico está a somente 1,1 km da sub-estação da CHESF e a 1,9 km do epicentro instrumental preliminar, nesse caso, dentro da margem de erro esperada.
  À luz das novas informações, é bem provável que essa atividade sísmica esteja ocorrendo num segmento do Lineamento Pernambuco onde esse tipo de atividade era desconhecida, o que torna crítico o monitoramento, pois ele será o fator decisivo sobre a oportunidade ou não de se instalar uma rede sismográfica local.
Fonte: LabSis/UFRN; RSISNE; INCT-ET
Joaquim Ferreira, Eduardo Menezes,  Renato Dantas, Heleno Lima Neto, Rodrigo Pessoa

Novo tremor em São Caetano-PE em 08/05/2012

    Como noticiamos ontem, a atividade sísmica nas proximidades da cidade de São Caetano-PE estava alta e hoje, às 04:09 UTC (01:09 hora local), ocorreu um tremor de magnitude preliminar 1.8 (NBLI) e de corrdenadas preliminares (lat: -8.33; long:-36.19), seguido de outros três eventos menores. Ainda não temos notícias se esse tremor foi ou não sentido pela população.
    O mapa epicentral é mostrado na Figura 1.

Figura 1. Mapa epicentral do tremor de hoje. A estrela vermelha mostra o local do epicentro. O triângulo vermelho mostra o local da estação NBCA. Numa cor mais clara, em destaque, a área do município de São Caetano. Mapa elaborado por Heleno Lima Neto.
     O registro desse evento na estação de Caruaru (NBCA), pertencente à rede RSISNE (Petrobras/UFRN/FUNPEC) é mostrado abaixo, na Figura 2.

Figura 2. Registro do evento pela estação NBCA. Figura elaborada por Heleno Lima Neto.
    A atividade sísmica atual em São Caetano pode ser considerada, dentro dos erros epicentrais, na mesma área onde, em 2010, ocorreu um tremor de magnitude 2.9. Essa atividade, foi demonstrado por trabalhos realizados pelo LabSis/UFRN está diretamente relacionada com a reativação atual do Lineamento Pernambuco.

Fonte: LabSis/UFRN; RSISNE; INCT-ET
Joaquim Ferreira, Eduardo Menezes,  Heleno Lima Neto

segunda-feira, 7 de maio de 2012

Seminário LabSis/UFRN no dia10/05/2012

No próximo dia 10/05/2012 teremos mais um seminário do LabSis, atividade coordenada pelo Prof. Jordi Julià. O seminário será proferido pelo doutorando da PPGG (Programa de Pós-graduação em Geodinâmica e Geofísica) Paulo Henrique Sousa de Oliveira e terá por título "Sismicidade na região noroeste do Ceará e sua relação com o Lineamento Transbrasiliano".
    O seminário será apresentado no auditório do prédio Reuni (Departamento de Geofísica), às 16:30 h.
Resumo
    A região noroeste do Ceará, geologicamente conhecida como Domínio Noroeste do Ceará (DNC), está localizada na plataforma estável sul-americana. Além de sua importância geológica, estrutural e tectônica, o DNC possui uma das principais áreas sísmicas ativas da região Nordeste do Brasil, sendo relatados eventos desde o século XIX . 
     Há muito o Laboratório Sismológico da UFRN (LabSis/UFRN) vem efetuando estudos da atividade sísmica com redes sismográficas locais nessa região, inicialmente em Groaíras, onde dois eventos seguidos de magnitudes 3,9 mb e 4,1 mb ocorreram em 1989. Após esses eventos várias campanhas têm sido realizadas para estudar a sismicidade ocorrida nesta região. As últimas campanhas realizadas na região foram realizadas na região da Serra da Meruoca (área sísmica nos limites dos municípios de Sobral, Meruoca e Alcântaras), em 2008 (rede SB) e em Santana do Acaraú, em 2010 (rede SA). 
    É importante observar também que Sobral e Santana do Acaraú possuem considerável proximidade do Lineamento Transbrasiliano (LTB), o qual consiste numa gigantesca zona de cisalhamento que corta a área de estudo e se estende para sudoeste, até a região central do Brasil. Sendo assim, quando da ocorrência de sismicidade no DNC, geralmente se especula se a mesma é uma possível reativação do LTB. 
    Apesar da proximidade da sismicidade nas regiões citadas anteriormente possuir proximidade do LTB, o objetivo desse trabalho é mostrar que nem sempre é possível associar a ocorrência de sismicidade como uma possível reativação do LTB, diferentemente do que ocorre na região do Lineamento Pernambuco (LP) onde existe uma clara correlação entre a sismicidade de o LP.


Figura 1. Mapa epicentral dos sismos da Serra da Meruoca em 2008. Os círculos amarelos denotam os epicentros. Os triângulos vermelhos mostram o local das estações sismográficas utilizadas no estudo dessa atividade sísmica. As  linhas pretas mostram falhas e o Lineamento Transbrasiliano.
 Fonte: LabSis/UFRN
 Paulo Oliveira, Joaquim Ferreira, Jordi Julià

Novo tremor de terra na cordilheira meso-oceânica em 07/05/2012

    Para variar, tivemos uma nova ocorrência de um tremor na cadeia (cordilheira ou dorsal) meso-oceânica, desta vez no dia de hoje. O evento teve magnitude 4.6 e ocorreu às 12:21 UTC. Esse evento ocorreu a cerca de 1.071 km a NW da ilha de Ascenção e a cerca de 1.400 km a ENE da ilha de Fernando de Noronha.
    A localização do evento e sua relação espacial com os demais sismos que ocorreram nos últimos 30 dias na  dorsal é mostrada na Figura 1, abaixo.  
Figura 1. Mapa de localização epicentral. A dorsal meso-oceânica é simbolizada pela linha vermelha entre o Brasil e a África. O epicentro do tremor está simbolizado pela bola verde. Na área abrangida pelo mapa são mostrados os epicentros de todos os sismos de magnitude acima de 4.5 que ocorreram nos  últimos 30 dias. Fonte: USGS.
Fonte: LabSis/UFRN; USGS
Joaquim Ferreira,  Heleno Lima Neto

Monitoramento da região de Caruaru: novos resultados até 07/05/2012

    A instalação, em Caruaru, da estação NBCA, da rede RSISNE (Petrobras/UFRN/FUNPEC), tem possibilitado acompanhar a atividade sísmica na região de uma forma mais eficiente.  Um mapa mostrando as principais  áreas ativas na região é mostrado na Figura 1.

Figura 1. Atividade sísmica na região de Caruaru. O triângulo vermelho indica a localização da estação NBCA. As estrelas vermelhas indicam as principais áreas ativas e/ou locais de ocorrência de tremores de terra recentes. Mapa elaborado por Heleno Lima Neto.
 Entre os resultados até agora obtidos temos:
    1 - existem duas áreas onde a atividade está concentrada, a área ao sul da estação NBCA, em Caruaru, e a área em São Caetano próxima e a oeste da sede do município;
    2 - existe a ocorrência de eventos isolados em Caruaru, Bezerros e São Caetano, os dois primeiros denotados pelas estrelas a leste de NBCA e o último pela estrela ao norte de São Caetano;
    3 -  nos últimos três dias praticamente toda a atividade sísmica está concentrada na área epicentral próxima à sede do município de São Caetano, tendo sido registrados mais de 20 microtremores desde o dia 05/05 nessa região.

Fonte: LabSis/UFRN; RSISNE; INCT-ET
Joaquim Ferreira, Eduardo Menezes, Regina Spinelli, Heleno Lima Neto

Novo tremor na cordilheira meso-oceânica em 06/05/2012

    A ocorrência de tremores na cadeia (cordilheira ou dorsal) meso-oceânica tem sido uma constante desde o começo do ano. No dia 06 tivemos mais um evento, desta vez de magnitude 4.9, às 05:54 UTC. Esse evento ocorreu a cerca de 1.700 km ao norte de São Luís-MA.
    A localização do evento e sua relação espacial com os demais sismos da dorsal é mostrada na Figura 1, abaixo. 
Figura 1. Mapa de localização epicentral. A dorsal meso-oceânica é simbolizada pela linha vermelha entre o Brasil e a África. O epicentro do tremor está simbolizado pela bola verde. Na área abrangida pelo mapa são mostrados os epicentros de todos os sismos de magnitude acima de 4.5 que ocorreram nos  últimos 30 dias. Fonte: USGS.
Fonte: LabSis/UFRN; USGS
Joaquim Ferreira,  Heleno Lima Neto

quinta-feira, 3 de maio de 2012

Novo tremor de terra sentido em Paramoti-CE em 02/05/2012

    Ontem, dia 02, segundo informações de Altenor, funcionário da Prefeitura de Paramoti, foi sentido um tremor de terra nessa cidade. Analisando os dados da estação de Morrinhos (NBMO) verificamos que o tremor ocorreu às 13:51 UTC (10:51, hora local)  e teve magnitude preliminar calculada em 2.1.
    O mapa de localização epicentral encontra-se na Figura 1.
Figura 1. Mapa de localização. A estrela vermelha indica o epicentro do evento de ontem.  Os triângulo vermelhos indicam a localização das estações de Morrinhos (NBMO) e Cascavel (NBCL) instadadas na região e pertencentes à rede RSISNE.  Mapa elaborado por Heleno Lima Neto
      O epicentro calculado encontra-se dentro do município de Pentecoste, a uma distância de 18 Km a NE de Paramoti, sendo que a cidade de Paramoti fica mais próxima do epicentro que a cidade de Pentecoste, conforme se pode ver na Figura 1. 
    O registro do evento na estação de Morrinhos (NBMO) é mostrado na Figura 2.

Figura 2. Registro do tremor na estação NBMO. Figura elaborada por Heleno Lima Neto.
    Esta não é a primeira vez que Paramoti é afetada por tremores de terra. Em 1997 foram registrados dois tremores de magnitudes 2.3 e 2.0 no dia 16 de fevereiro.
    Outros eventos vem  ocorrendo no Ceará nos últimos dias como, por exemplo, um evento de magnitude 1.7 com epicentro localizado no mar, frente a Beberibe e outros em Guaramiranga, registrados por NBMO e NBPB (Pedra Branca).O técnico da Defesa Civil do Ceará Francisco das Chagas Brandão esteve nas regiões citadas tendo constatado que o evento próximo a Beberibe não foi sentido mas para os eventos de Guaramiranga, registrados nos dias 21 e 25/04, a população local informou-o de que ouviram o estrondo.

Fonte: LabSis/UFRN, RSISNE, INCT-ET
Joaquim Ferreira, Heleno Lima Neto, Regina Spinelli, Eduardo Menezes, Renato Dantas

quarta-feira, 2 de maio de 2012

Novo tremor na cordilheira meso-oceânica em 02/05/2012

    A ocorrência de tremores na cadeia (cordilheira ou dorsal) meso-oceânica vem sendo uma constante. Hoje,  dia 02/05, tivemos mais um evento, desta vez de magnitude 5.0, às 13:48 UTC. Esse evento ocorreu a cerca de 2.730 km ao norte de Belém do Pará.
    A localização do evento e sua relação espacial com os demais sismos ocorridos nos últimos 30 dias na dorsal é mostrada na Figura 1, abaixo.

Figura 1. Mapa de localização epicentral. A dorsal meso-oceânica é simbolizada pela linha vermelha entre o Brasil e a África. O epicentro do tremor está simbolizado pela bola verde. Na área abrangida pelo mapa são mostrados os epicentros de todos os sismos de magnitude acima de 4.0 que ocorreram nos  últimos 30 dias. Fonte: USGS.
Fonte: LabSis/UFRN; USGS
Joaquim Ferreira,  Rodrigo Pessoa

Epicentro do tremor de ontem (01/05/2012)

    Como foi noticiado, ontem ocorreu um tremor de terra sentido em diversas localidades da região de Taboleiro Grande. Hoje foi possível acessar os dados da estação mais próxima, a de Pau dos Ferros (PFBR). A análise do registro permitiu determinar o local do epicentro. O mesmo está localizado no município de Umarizal, dentro de um erro estimado de 3 km.
    O mapa da localização epicentral é mostrado na Figura 1.

Figura 1. Mapa epicentral. O epicentro é denotado pela estrela vermelha; a estação PFBR pelo triângulo vermelho; as sedes dos municípios onde se tem notícias do tremor ter sido sentido estão realçadas. A área do município de Umarizal é mostrada em destaque. Mapa elaborado por Heleno Lima Neto.
    O registro do evento na estação PFBR é mostrado abaixo.

Figura 2. Registro do evento de ontem em PFBR.
    O epicentro ocorreu em uma nova área epicentral onde, ao contrário de Taboleiro Grande, não havia atividade sísmica anterior conhecida. A ocorrência de tremores de terra em municípios localizados na denominada borda da Bacia Potiguar (Rio Grande do Norte e leste do Ceará) é sempre possível, mesmo onde antes não existiam registros, e como exemplo, temos a atividade sísmica de Pedra Preta-RN, também desconhecida antes de 2010.

Fonte: LabSis/UFRN; RSISNE; INCT-ET
Joaquim Ferreira, Eduardo Menezes, Heleno Lima Neto
  

terça-feira, 1 de maio de 2012

Novo tremor na região de Taboleiro Grande-RN em 01/05/2012


    Hoje, dia 01, ocorreu um novo tremor de terra na região Oeste do Estado do Rio Grande do Norte, no município de Taboleiro Grande. Esse evento foi registrado pela estação de Livramento-PB (NBLI), teve magnitude preliminar calculada em 2.9, ocorreu às 08:49 UTC (05:49, hora local) e foi sentido também nos municípios de Itaú, Riacho da Cruz, Portalegre, Serrinha dos Pintos e Umarizal, segundo informações do blogueiro João Moacir (http://joaomoacir.blogspot.com.br/2012/05/mais-informacoes-sobre-o-tremor-de.html).
    O mapa de localização epicentral encontra-se na Figura 1.

Figura 1. Mapa de localização. A estrela vermelha indica o epicentro do evento de hoje.  Os triângulo vermelhos indicam o local das estações de Livramento (NBLI) e Riachuelo  (RCBR) . Mapa elaborado por Heleno Lima Neto e Eduardo Menezes.

Figura 2.  Registro da estação NBLI do tremor de Tabuleiro Grande-RN ocorrido hoje (01/05/2012).
Fonte: LabSis/UFRN; RSISNE; INCT-ET
Heleno Lima Neto, Eduardo Menezes


Seminário LabSis/UFRN no dia 03/05/2012

     No próximo dia 03/05/2012 teremos mais um seminário do LabSis, atividade coordenada pelo Prof. Jordi Julià. O seminário será proferido pelo graduando em Geofísica e bolsista do PRH22 Renato Ramos da Silva Dantas e terá por título "Decaimento da aceleração de ondas sísmicas de terremotos da borda da Bacia Potiguar".
    O seminário será apresentado no auditório do prédio Reuni (Departamento de Geofísica), às 16:30 h.
 Resumo: 
    A região da Bacia Potiguar é a área de maior atividade sísmica no país, constando, inclusive, nos mapas globais de perigo sísmico. Apesar disso, pouco se sabe sobre o efeito que um possível tremor, de determinada magnitude e ocorrido em determinado local, teria em uma dada estrutura construída nessa região. Para isso, necessita-se de registros da aceleração do solo devido a esses tremores. Ou seja, a solução desse problema exige a ocorrência de tremores e a existência de acelerógrafos aptos a registrá-los.
    Recentemente, o projeto RSISNE (PETROBRAS/UFRN/FUNPEC) permitiu a compra e instalação, no Nordeste do Brasil, de estações permanentes completas (sensor broadband e acelerógrafo), bem como de acelerógrafos individuais que se podem instalar em áreas sísmicas. Parte dessas estações e acelerógrafos individuais foram instalados na borda da Bacia Potiguar. O objetivo do trabalho que vem sendo desenvolvido é verificar como se dá o decaimento da aceleração nessa região utilizando-se os dados coletados do final de 2010 até agora. 
    Como modelo de decaimento, foi utilizada a forma clássica de Kanai (1961). É possível estimar os parâmetros desse modelo através de uma regressão linear múltipla, usando o método dos mínimos quadrados.
    Para a estimativa dos parâmetros desses modelos, aplicada ao caso da borda da Bacia Potiguar, foram utilizados 37 registros de aceleração das seguintes estações: ACCP (Cabeço Preto, Pedra Preta), NBPA (Paraú), NBPV (Pedro Velho), ACJC (João Câmara) e ACMT (Matão, João Câmara), usando, principalmente, tremores oriundos das falhas sismogênicas de Samambaia (região de João Câmara) e de Cabeço Preto (região de Pedra Preta). A equação obtida ajustou-se bem aos dados.
    Um exemplo de registro acelerográfico é mostrado na Figura 1, abaixo.

Figura 1. Acelerograma da estação ACCP.

 Fonte: LabSis/UFRN
 Renato Dantas, Joaquim Ferreira, Jordi Julià