Contatos

twitter: @LabSisUFRN; telefone: 84 3215-3796;
facebook: LabSis Ufrn

segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

Novos tremores na cordilheira meso-oceânica em 25 e 26/01/2015

    Ontem,  25/01, e hoje, 26/01, ocorreram dois tremores na cordilheira meso-oceânica. Embora esses eventos tivessem sido bem registrados pelas estações operadas pela UFRN nenhum deles consta nem da lista do USGS nem na lista do EMSC. No entanto, os dois eventos constam da lista da USP (http://www.sismo.iag.usp.br/portal ), que utilizou os dados das estações operadas pela UFRN (RCBR + RSISNE) bem como outras estações da RSB (Rede Sismográfica Brasileira) para determinar os epicentros dos eventos.
    O primeiro evento ocorreu no dia 25, às 04:45 UTC, e teve magnitude 4.7. O epicentro do tremor está localizado a aproximadamente 75 km a SW de São Pedro e São Paulo (portanto, dentro do limite das 200 milhas ou 370 km), a 560 km a NNE de Fernando de Noronha, a 880 km a NNE de Touros, a 910 km a NNE de Natal e a  1.060 km a NE de Fortaleza.
    O segundo evento ocorreu no dia 26, às 07:32 UTC, e teve magnitude 4.5. O epicentro do tremor está localizado a aproximadamente 285 km a WSW de São Pedro e São Paulo (portanto, também dentro do limite das 200 milhas ou 370 km), a 440 km a N de Fernando de Noronha, a 710 km a NNE de Touros, a 750 km a NNE de Natal e a  860 km a NE de Fortaleza.
    O mapa de localização epicentral está na Figura 1.

Figura 1. Mapa de localização epicentral. O epicentro do sismo do dia 25 está simbolizado pela estrela verde. O epicentro do sismo do dia 26 está simbolizado pela estrela vermelha. Os triângulos vermelhos indicam a localização das estações de Morrinhos (NBMO) e de Riachuelo (RCBR). O triângulo vermelho indica a localização da estação de Riachuelo (RCBR). Os triângulos azuis indicam a localização das estações da rede RSISNE.
    O registro do evento do dia 26 na estação RCBR está na Figura 2.

Figura 2. Sismograma de 24h da estação RCBR. O registro do evento está dentro do retângulo vermelho.
    O exemplo dos dois eventos do dia 25 e 26 mostra a importância da rede RSISNE não só no monitoramento da sismicidade na parte continental como também oceânica. Dessa a sismicidade da cordilheira meso-oceânica, principalmente na região mais próxima ao Nordeste do Brasil, pode ser melhor conhecida. Deve-se levar em consideração que nem todas as estações da rede RSISNE estão transmitindo em tempo real para a UFRN o que, quando ocorrer, melhorará, em muito a determinação epicentral.

Fonte: LabSis/UFRN, USP
Joaquim Ferreira 

Nenhum comentário:

Postar um comentário