Contatos

twitter: @LabSisUFRN; telefone: 84 3215-3796;
facebook: LabSis Ufrn

quarta-feira, 17 de agosto de 2016

Seminário LabSis de 18/08/2016

    Recomeçando a série de seminários de 2016, nesta quinta-feita, dia 18/08, às 15:30 h, no auditório do Módulo REUNI do Departamento de Geofísica, será proferido o primeiro seminário do LabSis, do ciclo de 2016. O palestrante será Francisco Hilário Bezerra, do Departamento de Geologia (DG) e do Programa de Pós-graduação em Geodinâmica e Geofísica (PPGG -UFRN), especialista em Neotectônica.

TítuloVariação espacial e temporal do campo de tensões (esforços) na margem continental do Brasil

Resumo:

    Tensões (ou esforços) tectônicas variam no espaço e no tempo. Estas tensões podem ser investigadas por métodos geofísicos (mecanismo focal, breakout, perfis de imagem, anelastic strain recovery) e métodos geológicos (população de falhas e estrias). O primeiro grupo tem sido usado para determinar tensões atuais e o segundo tem sido usado para determinar tensões atuais e passadas.     Estudos atuais que reúnem mecanismos focais, breakouts e perfis de imagens indicam que as tensões tectônicas na Bacia Potiguar variam ao longo da costa e em profundidade nas camadas sedimentares. Tais dados indicam um quadro muito mais complexo do que aquele inicialmente esperado e  que a variação espacial do campo de tensões é provocada por causas locais. 
    O estudo de falhas indica que as tensões variaram de forma significativa desde a separação entre América do Sul e África e que pelo menos três campos de tensões são observados em várias bacias do Nordeste. Estas variações de tempo têm relação com a interação das grandes placas. 
    As variações espacial e temporal dos campos de tensões têm implicações importantes para a reativação de falhas e sismicidade atual.O estudo da fonte sísmica é importante para um melhor entendimento dos processos físicos dinâmicos geradores de sismos e para investigações sismotectônicas de uma região. 

Fonte: LabSis/UFRN
Francisco Hilário Bezerra, Jordi Julià, Joaquim Ferreira

Nenhum comentário:

Postar um comentário