Contatos

twitter: @LabSisUFRN; telefone: 84 3215-3796;
facebook: LabSis Ufrn

terça-feira, 15 de setembro de 2015

Seminário LabSis de 17/09

    Quinta-feita, dia 17/09, às 16h30, no auditório do Módulo REUNI do Departamento de Geofísica, acontece o terceiro seminário do LabSis, do ciclo de 2015. O palestrante será Diogo Luiz (PPGG - UFRN).

Título: 
Análise de Estrutura Crustal na Faixa Ribeira (entras as Províncias do Cráton São Francisco e da Bacia do Paraná),utilizando Métodos Sismológicos.

Resumo:

O contexto geológico da Área em estudo inclui o Rift Continental do Sudeste do Brasil, coberto por terrenos policí­clicos do sul da Faixa Ribeira. Vinte e quatro estações sismográficas temporárias de banda larga foram instaladas ao longo de três perfis, dois perpendiculares a costa e um paralelo, a distância entre as estações é de 20km. O objetivo principal é determinar a estrutura da crosta e destacar as descontinuidades de velocidade sísmica, a fim de melhor compreender o arcabouço geológico regional. Há um esforço para garantir a qualidade dos dados nas estações temporárias. Os testes com o tempo de chegada da onda P e com o ní­vel de ruí­do ajudaram a localizar alguns erros no banco de dados. O método da Função do Receptor foi aplicado para observar as descontinuidades internas da crosta abaixo de cada estação e, posteriormente, para calcular a profundidade de Moho. Os resultados das Funções do Receptor indicam que Moho diminui a partir do interior do continente para a região costeira, de 40 km para 33 km de profundidade. A velocidade de grupo das ondas Rayleigh são medidas pela correlação cruzada do Ruí­do Ambiental nas estações temporárias e foi utilizada para determinar as estruturas superficiais da crosta terrestre. Os mapas de velocidade de grupo das ondas Rayleigh são consistentes
com a estrutura superficial da crosta terrestre descrita na literatura. Demarcando bem os limites entre a Faixa Ribeira e a Bacia do Paraná e o limite com o Cráton São Francisco.

Palavras-chave: Sismologia, Função do Receptor, Correlação de Ruí­do, Brasil, Sudeste.

Fonte: LabSis/UFRN
Diogo Luiz, Joaquim Ferreira, Jordi Julià, Rodrigo Pessoa. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário