Contatos

twitter: @LabSisUFRN; telefone: 84 3215-3796;
facebook: LabSis Ufrn

terça-feira, 22 de setembro de 2015

Seminário LabSis de 24/09

    Quinta-feita, dia 24/09, às 16h30, no auditório do Módulo REUNI do Departamento de Geofísica, acontece o quarto seminário do LabSis, do ciclo de 2015. O palestrante será Esteban Poveda (PPGG - UFRN).

Título: Tomografia de ruído sísmico ambiente no Noroeste da América do Sul

Resumo: 

Neste trabalho se investiga a estrutura de velocidades para a crosta media e superior, na região Noroeste da América do Sul,  com ruído sísmico ambiental,  utilizando registros contínuos de mais de dois anos de estações de banda larga,  fornecido pelo Serviço Geológico Colombiano (SGC). Primero, aplicamos o processamento aos dados baseado nas recomendações de Bensen et al., (2007) com o fim de normalizar os dados e eliminar informações provenientes das fontes de abalos sísmicos. Segundo, calculamos as funções empíricas de Green para cada par de estações a partir de duas metodologias de correlação cruzada: Como a correlação clássica (classical cross-correlation (CCGN)) e correlação cruzada de fase (phase-cross-correlation (PCC)). Analisamos também diferentes tipos de empilhamento, como o empilhamento linear e de fase, a fim de avaliar a estabilidade das curvas de dispersão. Foram obtidos aproximadamente 800 correlações, as quais foram usadas para obter o modo fundamental de velocidades de Grupo de Ondas Rayleigh. Para isso, empregamos duas ferramentas baseadas na técnicas de filtragem múltipla: A primeira foi desenvolvida por Ammon (2001) e a segunda é conhecida como frequency-time analisys (FTAN), Levshin et. al., (1989), a qual mede as curvas de forma automática. As curvas de dispersão foram invertidas utilizando uma grade de 0.5 x 0.5 graus, para obter as variações laterais de velocidades da crosta media e superior. Aplicando a metodologia de inversão no-lineal e iterativa FMST (Fast marching surface wave tomography) construímos mapas 2D para períodos de 5 s a 30 s, com boa resolução. Os resultados tomográficos preliminares mostram estabilidade e unicidade, além de se correlacionarem com as diferentes estruturas geológicas da região e com os valores de espessura de sedimentos do modelo CRUST 1.0 (Laske and Masters, 1997).

Palavras chaves:  Correlação cruzada, empilhamento, tomografia de ruído sísmico. 

Fonte: LabSis/UFRN
Esteban Poveda, Joaquim Ferreira, Jordi Julià, Rodrigo Pessoa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário