Contatos

twitter: @LabSisUFRN; telefone: 84 3215-3796;
facebook: LabSis Ufrn

quinta-feira, 7 de novembro de 2013

Seminário LabSis de 06/11/2013

    Hoje, 06/11, às 16:30 h, no auditório do Módulo REUNI do Departamento de Geofísica, acontece o nono seminário do ciclo do Labsis 2013. O palestrante será o professor Dr Jordi Julià Casas (PPGG/UFRN).


TítuloA espessura crustal da América do Sul: Sismologia e gravimetria de satélite

Resumo:
    Neste seminário será apresentada uma revisão de três modelos de espessura crustal para o continente sul-americano publicados em 2013. Os modelos estão baseados em dados sismológicos e gravimétricos e incluem: (i) uma interpolação matemática (natural-neighbor gridding) de 889 perfis 1D de velocidade, baseada em uma compilação de levantamentos de sísmica de refração, funções de receptor, ondas de superfície e tomografia local, (ii) uma inversão simultânea de dispersão de ondas de superfície e formas de onda, com 920 vínculos pontuais para a espessura crustal obtidos de uma compilação independente de levantamentos de sísmica de refração, funções de receptor e levantamentos gravimétricos, e (iii) uma modelação tipo Parker-Oldenburg de anomalias de Bouguer obtidas através de medidas gradiométricas durante a missão espacial GOCE (Gravity Field and Ocean Circulation Explorer). Os três modelos são consistentes para variações com comprimentos de onda grandes, mostrando uma espessura de até 65 km para a região do Altiplano Boliviano, uma espessura de uns 40 km para o escudo brasileiro – incluindo a bacia do Paraná - e norte da Venezuela, e uma faixa de crosta mais fina de uns 30 km de espessura para o “foreland” andino. Os modelos apresentados têm diferenças significativas quando comparados com a porção sul-americana do modelo de espessura de crosta global CRUST2.0 (http://igppweb.ucsd.edu/~gabi/crust2.html), representando assim uma melhora importante em nossa compreensão da estrutura crustal do continente. 


Figura 1: Comparação entre estimativas do modelo gravimétrico e dados pontuais da espessura crustal a América do Sul. As diferençãs (escala de cores) são definidas em referência as estimativas de espessura crustal do modelo gravimétrico.



Fonte: LabSis/UFRN
Jordi Julià, Rodrigo Pessoa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário