Contatos

twitter: @LabSisUFRN; telefone: 84 3215-3796;
facebook: LabSis Ufrn

quinta-feira, 26 de abril de 2012

Monitoramento com a estação NBCA: primeiros resultados

    O objetivo da instalação da estação permanente da rede RSISNE (Petrobras/UFRN/FUNPEC) em Caruaru (NBCA) é monitorar a atividade sísmica da região, que apresenta uma distribuição complexa de áreas epicentrais, como já foi discutido anteriormente neste blog.
     Como primeiros resultados, pode-se afirmar que:
   a) os sismos continuam ocorrendo na nova área sísmica identificada ao norte de Caruaru; 
   b) foram identificados alguns eventos ao leste de Caruaru; 
   c) a sismicidade também se mostrou bastante ativa próximo à sede do município de São Caetano.
    Um mapa mostrando a região de Caruaru e essas áreas citadas está na Figura 1, abaixo.

Figura 1. Mapa mostrando as áreas epicentrais citadas (estrelas vermelhas). A localização da estação NBCA é indicada pelo triângulo vermelho. Mapa elaborado por Heleno Lima Neto.
   Exemplos de sismogramas de cada uma dessas áreas são mostrados nas Figuras 2, 3 e 4, a seguir.

Figura 2. Sismograma de evento próximo a NBCA (norte de Caruaru).
Figura 3. Sismograma de evento ao leste de Caruaru.
Figura 4. Sismograma de evento próximo a São Caetano.
    As áreas sísmicas a leste de Caruaru e próxima a São Caetano possivelmente estão relacionadas com a reativação do Lineamento Pernambuco. A área ao sul da estação NBCA não está relacionada à reativação do Lineamento Pernambuco, mas o tipo de movimento só pode ser obtido se uma rede sismográfica local for instalada na região.
    A decisão sobre a instalação de uma rede local depende essencialmente do nível da atividade sísmica. O que se tem notado, nos últimos dias, é um aumento da atividade sísmica em duas áreas: ao sul de NBCA e próxima de São Caetano.

Fonte: LabSis/UFRN; RSISNE
Joaquim Ferreira, Heleno Lima Neto, Eduardo Menezes, Regina Spinelli, Renato Dantas, Rodrigo Pessoa

4 comentários:

  1. Tremeu as 20:59 do dia 26/04 em Pedra Preta?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rodrigo,

      mais uma vez você acertou na mosca! Estamos providenciando uma postagem relativa a isso.

      Att.,

      Joaquim Ferreira
      Coordenador do LabSis/UFRN

      Excluir
  2. "Lineamento Pernambuco é uma falha geológica que tem entre 600 Km e 700 Km de extensão e corta todo o estado, do Recife a Ouricuri. Mas ele está longe de ser a explicação para tudo. O lineamento se formou entre 500 milhões e 550 milhões de anos atrás, antes mesmo da separação dos continentes sulamericano e africano - essa falha, por sinal, continua na África. Segundo o professor de geologia da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) Joaquim Mota, a abertura dos continentes na altura de Pernambuco ocorreu há cerca de 100 milhões de anos.

    Falhas extensas como essa são zonas de fraqueza e tendem a se movimentar, causando abalos sísmicos. Até aí, tudo bem. Mas porque, então, é rara a ocorrência de atividades sísmicas na Paraíba se nesse estado também há uma grande falha geológica, chamada de Lineamento Patos? Para essa pergunta ainda não há respostas definitivas.

    Para o chefe do Observatório Sismológico da Universidade de Brasília (UNB), George França, toda atividade sísmica registrada em Pernambuco tem ligação com o lineamento que leva seu nome ou com suas ramificações (falhas geológicas menores). Quanto à diferença de sismicidade entre os estados, ele defende a tese de que Pernambuco deve ter um sistema geológico diferente da Paraíba, com uma região de fragilidade maior na região do Agreste, nas proximidades de Caruaru, do que na área do Lineamento de Patos. Uma coisa é certa. Não há unanimidade. Nem certezas."
    http://universitarioskariri.blogspot.com.br/2010/04/falhas-geologicas-lineamento.html
    http://www.diariodepernambuco.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cara Marise,

      numa das postagens anteriores sobre a região de Caruaru colocamos várias referências bibliográficas sobre os tremores não só dessa região específica como também do nordeste em geral. Estudar a sismicidade do Nordeste tem sido a principal atividade do LabSis/UFRN desde 1980.
      O professor Joaquim Mota está certo acerca da formação do Lineamento Pernambuco e dele representar uma zona de fraqueza.
      Como já mostramos nem todos os sismos ocorrem diretamente sobre o Lineamento Pernambuco. Em Caruaru mesmo, temos sismos ao norte do Lineamento e, os tremores de maior magnitude em Pernambuco ocorreram fora do Lineamento. Vários sismos estão situados sobre suas "ramificações" (falhas e zonas de cisalhamento que convergem para ou saem do Lineamento). Mas nem toda a sismicidade de Pernambuco se enquadra nessas duas categorias.
      Sobre o Lineamento Patos ainda não se sabe a razão de ser menos ativo que o Lineamento Pernambuco. Tenho algumas desconfianças que, quando melhor elaboradas, tornarei públicas. O que posso dizer é que tudo o que conhecemos pode ser modificado amanhã. Por exemplo, temos várias estações operando na Paraíba neste momento e é bem possível que a análise desses dados demonstre que existe atividade de microtremores na região sem, no entanto, atingir magnitude suficiente para ser sentida pela população.

      Att.,

      Joaquim Ferreira
      Coordenador do LabSis/UFRN

      Excluir